||Resenha|| A Filha do Louco - Megan Shepherd - Novo Conceito

Título: A Filha do Louco
Título Original: The Madman's Daughter
Autor: Megan Shepherd
Tradutor: Ivar Panazzolo Júnior

Editora: Novo Conceito
ISBN: 9788581631547
Ano de Edição: 2014

Ano Original de Lançamento: 2013
Número de Páginas: 416




Juliet Moreau construiu sua vida em Londres trabalhando como arrumadeira - e tentando se esquecer do escândalo que arruinou sua reputação e a de sua mãe, afinal ninguém conseguira provar que seu pai, o Dr. Moreau, fora realmente o autor daquelas sinistras experiências envolvendo seres humanos e animais.
De qualquer forma, seu pai e sua mãe estavam mortos agora, portanto, os boatos e as intrigas da sociedade londrina não poderiam mais afetá-la... Mas, então, ela descobre que o Dr. Moreau continua vivo, exilado em uma remota ilha tropical e, provavelmente, fazendo suas trágicas experiências.
Acompanhada por Montgomery, o belo e jovem assistente do cirurgião, e Edward, um enigmático náufrago, Juliet viaja até a ilha para descobrir até onde são verdadeiras as acusações que apontam para sua família. 

A Filha do Louco é uma releitura de um clássico que eu não estava familiarizada de HG Wells A Ilha do Dr. Moreau. Eu não fiz nenhuma pesquisa sobre o original antes de pegar esse livro. Mas eu acho que mesmo se eu tivesse, esta releitura teria feito um grande trabalho para me surpreender. Shepherd definitivamente segue o enredo geral, mas elementos chave são alterados que irá tornar mais surpreendente e cheia de suspense para os leitores, com ou sem o conhecimento do original.
A Filha do Louco conta a história de Juliet Moreau, cujo pai (um médico) foi desonrado e dado como morto há algum tempo, e cuja mãe morreu pouco depois, deixando Juliet sem ninguém para confiar. Como tal, Juliet foi mal a pior, trabalhando como empregada doméstica e só ganhando o suficiente para manter-se fora das ruas, até que um dia ela encontra algo que a faz pensar que seu pai pode não estar morto depois de tudo. Juliet segue seus instintos e acaba se reunindo com um amigo de infância, Montgomery, que lhe diz que seu pai não está realmente morto, mas vivendo em uma ilha remota. Juliet viaja com Montgomery para a ilha, esperando que os rumores sobre o seu pai não fossem verdade mas, na verdade, ela percebe que as coisas estão piores do que ela jamais imaginou.
Se eu tivesse lido o original, acho que eu teria tido uma melhor compreensão sobre o quão obscuro e muitas vezes perturbador este livro poderia ser. É, basicamente, abre com a dissecação de um coelho (na verdade, é pior do que isso, mas eu não vou entrar em detalhes aqui), e as cenas posteriores são muito, hum, vividamente descritas. Então se você tem algum problema com esse tipo de coisa, esse pode não ser o livro para você. No entanto, esse tipo de coisa não me incomoda muito em livros (os filmes são outra história). Acho que deu a história muita autenticidade, parecia, que sem essas cenas, o livro não teria sido tão impactante. A história supõe-se ser perturbadora, e essas cenas definitivamente o fazem ser.
Essa renúncia à parte, a atmosfera deste livro é provavelmente por isso que eu classifiquei com 4 estrelas. Eu simplesmente amei a sensação assombrosa, escura que permeia a história. A escrever perfeitamente refletido isso, e eu fui puxada pelo livro que parecia ser suspense, mas não é, pois o ritmo é alucinante.
Os personagens são muito bons. Juliet é uma nova adição ao conto original, e ela é a única que narra a história. Sua voz é incrivelmente original, ela é da Londres Vitoriana, então é claro que ela não vai ser a "garota de 16 anos normal" que é tão popular no YA. Mas, mais do que isso, ela tem esta forma totalmente diferente de ver o mundo, é sombria e um tanto melancólica, mas coube a sensação na história perfeitamente.
Eu gostei de Montgomery também, ele estava trabalhando na ilha como assistente do Dr. Moreau desde a noite de seu (eu acho) desaparecimento. Mas ele está em conflito. Ele sabe que os experimentos que Moreau está fazendo são errados, ainda ajudando Moreau é a única vida que ele já conheceu. Montgomery e Juliet também são ótimos juntos. 
 O único problema que tive com este livro, foi Edward. Edward Prince é um náufrago que Montgomery e Juliet pegam no seu caminho para a ilha. Literalmente o momento em que Edward acorda depois de ser resgatado, e define os olhos em Juliet. Este foi um caso de amor a primeira vista, e eu não sou uma fã deste tipo de sentimentos. Os dois não têm história alguma, e eu acho que em face de Montgomery e Juliet, Edward nunca deveria ter sido uma opção. Mas quem sou eu para julgar? 
 A Filha do Louco é um livro incrivelmente atmosférico, sombrio e muitas vezes assustador que capturou minha atenção desde o início. Essa atmosfera sombria foi fundamental para mim, mas Juliet e Montgomery também fizeram sua parte para tornar este livro totalmente cativante. Os capítulos finais também tinham me deixado na ponta da cadeira, levando a um final que eu nunca, em um milhão de anos ter previsto - apesar dos indícios copiosos deixados anteriormente. A última página termina com uma enorme reviravolta, e muito abruptamente ... 

Um comentário:

  1. Muito legal ter me deparado com essa resenha. Estou para ler A Ilha do Dr moreau e é bom saber que há uma outra obra calcada nesse clássico.Valeu pela dica.

    ResponderExcluir

Deixe o seu comentário. Ele é muito bem-vindo. E, vai me fazer muito feliz. =)