[Resenha] O Príncipe dos Canalhas - Loretta Chase


Título: O Príncipe dos Canalhas
Título Original: Lord of Scoundrels

Autor: Loretta Chase

Tradutor: Ivar Panazzolo Junior

Editora: Arqueiro

ISBN: 9788580413991

Ano de Edição: 2015

Ano Original de Lançamento: 1995

Número de Páginas: 287

Sebastian Ballister é o grande e perigoso marquês de Dain, conhecido como lorde Belzebu: um homem com quem nenhuma dama respeitável deseja é tipo de compromisso. Rejeitado pelo pai e humilhados pelos colegas de escola, ele nunca fez sucesso com as mulheres. E, a bem da verdade, está determinado a continuar desfrutando de sua vida depravada e pecadora, livre dos olhares traiçoeiros da conservadora sociedade parisiense. Até que um dia ele conhece Jessica Trent...

Acostumado a repulsa das pessoas, Dain fica confuso ao deparar com aquela mulher tão independente e segura de si. Recém-chegada a Paris, sua única intenção é resgatar o irmão Bertie da má influência do arrogante lorde Belzebu.


Liberal para sua época, Jessica não se deixa abater por escândalos e pelos tabus impostos pela sociedade - muito menos pela ameaça do diabo em pessoa. O que nenhum dos dois poderia imaginar é que esse encontro seria capaz de despertar em Dain sentimentos há muito esquecidos. Tampouco que a inteligência e a virilidade dele pudessem desviar Jessica de seu caminho.


Agora, com ambas as reputações na boca dos fofoqueiros e nas mãos dos apostadores, os dois começam um jogo de gato e rato recheado de intrigas, equívocos, armadilhas, paixões e desejos ardentes.


***



O Príncipe dos Canalhas de Loretta Chase é aclamado por muitos leitores como o perfeito romance histórico.Bem... mas não é perfeito (que livro é?). Mas, é uma história maravilhosa. É a Bela e a Fera com o fator charme multiplicado por dez.O Príncipe dos Canalhas é uma história memorável, engraçado, que consegue retratar um herói complicado e complexo ao mesmo tempo. Em suma, Loretta Chase conseguiu equilibrar humor com pungência. Não é uma tarefa fácil, mas conseguiu surpreendentemente.A história começa com Jessica Trent, que vai para Paris com o intuito de ajudar seu irmão idiota que tem se afundado em dívidas tentando viver o estilo de vida de seu novo ídolo: Sebastian Ballister, o Marquês de Dain. O que uma dama pode fazer face a loucura de um estúpido irmão que ameaça arrastá-la para o fundo do poço com ele? Simplesmente enfrentar a fonte de idiotice de seu irmão, o que culmina com Dain e Jess degladiando-se por uma pintura rara. Jess abre mão da pintura caso Dain chute seu irmão Bertie para fora de seu círculo de amigos. Mas, infelizmente Dain recebe isso como um desafio.Dain e Jess juntos são puro divertimento. Se você quer química, vai encontrar aos baldes aqui.Dain é um bruto, mas a autora fornece um fundo de desculpas a sua impertinência, comportamento muitas vezes infantil. Ao mesmo tempo ele nunca é cruel. Ele é mais um homem confuso, birrento, afastando as pessoas antes que elas se divertir com o seu enorme nariz. Esse é um homem que fez carreira zombando de sua fealdade e ainda aterrorizando os outros com suas atitudes e palavrões.Jess se esforça para se tornar imune ao ataque de virilidade de Dain.Bertie havia lhe dito que Dain era um homem muito grande. Ela esperava que fosse metade de um gorila, não estava preparada para um garanhão, grande, esplendidamente proporcionado e poderosamente musculoso, se o que suas calças justas delineavam era qualquer indicação.Os momentos de interação dos personagens me traz um sorriso aos lábios, vendo como Dain fica mais e mais espantado em sua relação com Jessica. Logicamente não poderia tratá-la como as joaninhas com as quais está acostumado, com toda certeza ela não iria embora quando rosnasse para ela, e quando está por perto não pode pensar com coerência.Sebastian Ballister é um urso adorável, todo casca, mas não morde, e é aí que reside seu charme. Ele também é inteligente o suficiente para não chafurdar na autopiedade sobre sua condição física. Debaixo de sua constituição de gorila, há uma mente afiada, ele é uma mistura irresistível de cérebro e músculos e é mais esperto do que qualquer um em Paris. Que mulher pode resistir?Jessica é menos complicada que Dain. Está livre da bobagem emocional e as vezes corre o risco de se tornar uma resoluta heroína unidimensional, não convencional. No entanto, consegue se manter única. Essa história brilha nos diálogos.A beleza desse livro é que muito tempo depois de encerrar a leitura, eu ainda podia lembrar os pequenos episódios, pequenos momentos, que a mim pareceram tão reais. Dain e Jess parecem reais, como as pessoas que conheço a muito tempo, e as suas loucuras e palavras me fazem rir e suspirar. Este livro foi muito bem escrito, e eu acabo me sentindo como se estivesse ali na história como se fosse um dos personagens dessa rica história. Observando-os brigar, tropeçar e amar o seu caminho para um final feliz.Comédia, emoções sinceras e dois personagens principais grandiosos, além de personagens secundários divertidos (Bertie e Genevieve) todos fizeram de O Príncipe dos Canalhas o que é. Realmente um grande livro.




Loretta Chase  

Loretta Lynda Chekani nasceu em 1949 numa família albanesa. Assim que aprendeu a escrever, passou a pôr no papel as histórias que inventava. Formou-se em inglês pela Clark University, onde trabalhou meio período como professora, ao mesmo tempo que escrevia roteiros. Foi quando conheceu um produtor que a inspirou a publicar suas histórias. Os dois acabaram se casando. Com o sobrenome do marido, Loretta Chase vem publicando romances históricos desde 1987, pelos quais ganhou vários prêmios, inclusive o RITA, da Associação Americana de Escritores de Romances, por O príncipe dos canalhas.

Um comentário:

  1. Menina eu não sei porque mas eu não consigo ler esses livros com essa pegada mais "histórica" sabe? Confesso que tenho vontade porque são histórias muitas vezes tão ricas :3
    www.valeuapenaesperar.com

    ResponderExcluir

Deixe o seu comentário. Ele é muito bem-vindo. E, vai me fazer muito feliz. =)